HONDA CELEBRA 25 MILHÕES DE MOTOCICLETAS PRODUZIDAS EM MANAUS

A Moto Honda da Amazônia comemora a produção de sua motocicleta número 25 milhões, tornando-se a primeira fabricante de veículos a atingir tal marco no país. A conquista foi protagonizada pela CG 160 Titan S, linhagem do primeiro modelo produzido pela empresa no Brasil.

Para celebrar a conquista, foi realizada uma cerimônia nas instalações fabris em Manaus (AM), com a participação do Sr. Noriaki Abe, Dirigente Responsável pelas Operações Globais de motocicletas da Honda, do Presidente da Honda South America, Issao Mizoguchi, além de outras autoridades municipais, estaduais e federais; representantes de entidades governamentais, associações de classe, concessionárias do grupo Honda e profissionais da imprensa.

Maior fabricante de motocicletas na América do Sul e líder absoluta do segmento no Brasil, a Moto Honda estruturou uma operação robusta de fabricação de componentes e montagem de motocicletas, além de contribuir para o estabelecimento de uma vasta cadeia de suprimentos no país.

“Comemorar 25 milhões de motocicletas produzidas é algo grandioso e uma imensa alegria para nós. Seguimos há 48 anos com o propósito de melhorar a vida das pessoas por meio das nossas soluções de mobilidade. Esse marco demonstra que nossos produtos são desejados pelos clientes no Brasil e demais países para os quais exportamos. Essa confiança nos motiva a seguir investindo para contribuir com a mobilidade dos cidadãos brasileiros”, afirma Issao Mizoguchi, Presidente da Honda South America.

Inaugurada em 1976, a mais verticalizada fábrica de motocicletas Honda é referência mundial e um dos maiores empreendimentos do Polo Industrial de Manaus.

Em suas instalações, acontece um complexo processo produtivo que vai muito além da montagem de motocicletas e envolve o desenvolvimento de diversos ferramentais e componentes que integram o produto final, como chassi, rodas, banco, motor entre outros.
Com capacidade de produção anual de 1.1 milhão de motocicletas, a Moto Honda é líder do segmento, com cerca de 80% e, em números absolutos, a maior fabricante de veículos automotores do País.

Atualmente, saem da linha de produção de Manaus 24 modelos de motocicletas, de 110 a 1000 cilindradas, além de quadriciclos e motores estacionários. A empresa também comercializa dez modelos importados.

Com um line-up diversificado, a Moto Honda oferece produtos alinhados aos variados perfis de clientes, com soluções para os deslocamentos do dia a dia, trabalho e momentos de lazer.

Em 2009 a empresa foi pioneira ao lançar a primeira motocicleta flex do mundo, projeto alinhado ao compromisso em desenvolver produtos cada vez mais amigáveis ao meio ambiente. Hoje, já são oito modelos flex produzidos no Brasil.

Em 2013, foi inaugurado, na planta de Manaus, um moderno Centro de Desenvolvimento e Tecnologia (CDT). A estrutura é um polo de desenvolvimento multidisciplinar com integração total entre todos os departamentos responsáveis pelas atividades relacionadas ao desenvolvimento de novas tecnologias, processos e produtos.

No último ano, a empresa anunciou o investimento de 500 milhões de reais, visando a modernização da unidade fabril, a fim de elevar a competitividade da Moto Honda globalmente.

A primeira fase desse aporte já foi concluída e os setores de fundição e usinagem da nova fábrica de motores estão operando. A linha de montagem do conjunto motor deve também integrar a nova estrutura até o final desse ano. Em 2021, estão previstas a modernização e ganho de eficiência produtiva nas áreas de solda, pintura e das linhas de montagem de motocicletas.

A marca segue comprometida com importantes investimentos em produtos e tecnologias e, até o final de 2021, serão apresentadas 16 novidades no lineup, entre lançamentos e novas gerações dos modelos atuais.

No decorrer de sua trajetória, a Moto Honda já investiu mais de 2 bilhões de dólares, incluindo infraestrutura, equipamentos, capacitação de pessoal, desenvolvimento de novas tecnologias e inovação, refletindo em uma contribuição social expressiva, tanto pelos empregos diretos gerados em toda a cadeia, quanto pelo valor e riqueza que o produto final gera para indivíduos, famílias e empreendedores, nos campos e nas cidades de todo o país.